Hipertrofia Abdominal - O que fazer para se ter aquele tanquinho?


Hipertrofia Abdominal

Todo homem e toda mulher frequentadores de academia desejam ardentemente ter aquele belo e definido abdome cheio de gominhos. Afinal, de que adianta ter todo o resto do corpo escultural e ter aquela barriguinha saliente?

Nesta matéria quero acabar com aquela frequente pergunta:
Posso treinar abdominais todos os dias?

Vamos as respostas!!!

Se for para resistência muscular localizada, pode-se fazer exercícios abdominais de 4 a 6 vezes na semana.

No caso da hipertrofia das fibras musculares abdominais, devemos levar em consideração a mesma linha de raciocínio dos outros grupos musculares, ou seja, essas fibras respondem da mesma forma que os bíceps braquiais, os quadríceps, os isquiotibiais, etc.

Então pergunto: uma pessoa que quer hipertrofia muscular treina peito, costas, ombros, braços e pernas todos os dias?
Todos nós sabemos que não, então, já está aí a deixa.



Vamos as seguintes considerações:
  • precisamos catabolizar e gerar micro lesão tecidual durante o treinamento, esse é o estímulo fundamental para que se gere um anabolismo proteico pós-treino e se possa realmente produzir um trabalho a médio ou longo prazo cronicamente de hipertrofia da fibra muscular
  • os exercícios abdominais funcionam da mesma forma, devemos usar braços de alavanca significativos e incorporar pesos aos exercícios, claro que dependendo do nível de condicionamento físico do praticante
  • a partir do catabolismo proteico, dessa micro lesão tecidual (citado acima), devemos ter um tempo de recuperação também significativo e adequado para garantir que o tecido se regenere e ocorra a supercompensação
Essas considerações que citei abordando catabolismo, carga e recuperação é válida para qualquer grupo muscular a ser desenvolvido.

CONCLUSÃO

Se o objetivo é hipertrofia muscular das fibras musculares abdominais não é interessante treinar abdominais todos os dias, e sim 1, 2 ou no máximo 3 vezes por semana forte, sendo os outros dias para recuperação.

Comentários