Corrida, Caminhada e Saúde Mental - Cuide bem do seu corpo e de sua mente


Corrida, Caminhada e Saúde Mental

Como adepto que sempre fui da Corrida tenho autoridade para dizer que a prática desse exercício proporciona só coisa boa. Você se sente com mais energia para os seus afazeres diários, você está sempre de bom humor e o que eu mais gosto particularmente é que logo após o treino sente-se uma sensação de prazer e bem-estar incríveis. Então, comece você a colher esses benefícios também.



Resultados de pesquisas mostram que a saúde mental também depende da prática regular de exercícios físicos. Essa prática ajuda a prevenir e a tratar a ansiedade e a depressão.
Sair do trabalho e trocar o paletó, a gravata e os sapatos de couro por calção, camiseta e tênis já é, há muito tempo, a solução que muitos executivos encontraram para diminuir a tensão e recuperar o bom humor. Quem pratica caminhada ou corrida habitualmente percebeu que os benefícios não se restringem à músculos e articulações, não se limitam a contribuir para a diminuição do peso e melhorar a eficiência do coração, pesquisas recentes mostram que o exercício físico regular é um grande aliado da saúde mental.
Em estudo publicado no British Journal of Sports Medicine os pesquisadores observaram que 30 minutos de caminhada em esteira rolante, durante dez dias, diminuíram em 25% os índices de depressão nas doze pessoas estudadas. Entre as conclusões observadas na pesquisa os autores enfatizaram as melhoras rápidas provocadas pelo exercício no estado de espírito de pacientes com distúrbios depressivos graves. Segundo eles tais benefícios não são conseguidos com os tratamentos farmacológicos atuais que precisam de 2 a 4 semanas para fazerem efeito.
Em outro estudo realizado na Universidade da Califórnia, que acompanhou 900 idosos por mais de 11 anos, uma equipe de pesquisadores observou que a prática de exercícios físicos promovem benefícios psicológicos e que homens e mulheres sedentários são mais susceptíveis à depressão. Os que interromperam os programas de exercícios ficavam mais propensos a desenvolver a doença.
As adaptações fisiológicas responsáveis pelas alterações no humor e recomendadas no tratamento antidepressivo dependem da regularidade, da intensidade e da duração da caminhada ou corrida. Os pacientes em tratamento e os idosos precisam consultar seus médicos e identificar, através de avaliação diagnóstica, sua freqüência cardíaca ideal de treinamento. O exercício é considerado aeróbio quando os batimentos cardíacos oscilam pouco, para mais ou para menos, caracterizando um equilíbrio entre a oferta e o consumo de oxigênio. Nestas condições é possível mantê-lo suficientemente prolongado para permitir a liberação dos hormônios responsáveis pelas melhoras do humor.
Independente da idade e do sexo, em conseqüência do estresse ou da solidão, é grande o número de pessoas que sofre de algum tipo de desordem mental. A Organização Mundial de Saúde estima que 1 em cada 15 pessoas pode vir a ser vítima de depressão. As estatísticas apontam o nível de risco e a ciência mostra que suar a camisa vale a pena.
E você, vai continuar sentado esperando para ver o que acontece?
Fonte Consultada: Área de Treino
Prof. Dr. José Alberto Aguilar Cortez

Comentários